O CEFR é um documento europeu mas por coincidência, ele ajudou a resolver um problema nosso. Como assim? Para explicar melhor, eu preciso contar alguns detalhes: as nossas escolas de idiomas são classificadas como “cursos livres”. Ao contrário das escolas de ensino fundamental e médio que são classificadas como “cursos regulares”. Isso significa que elas tem maior liberdade de montar a estrutura de seus cursos como querem, tanto no que se refere a conteúdo quanto a número de níveis e os nomes dados a eles. Por exemplo:

O aluno pode começar um curso numa escola que chama o primeiro nível de Básico, outra chama de Elementary, outra chama de Basic, ou Beginner, ou Star 1, e por aí vai… .  Essa confusão de nomes dá nó na cabeça do aluno e ele nunca entende porque saiu da escola A no nível intermediário e foi classificado na escola B como pré-intermediário. Como aluno, você quer economizar semestres e tende a procurar aquele lugar que te ofereceu uma “nomenclatura” mais avançada. Porém é importante saber exatamente ao que corresponde essas nomenclaturas.

Para isso, é importante conhecer a CEFR – Commom European Framework of Reference for Languages, ou Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas em bom português. Este documento tem como objetivo padronizar os níveis de aquisição de idiomas. Ele não refere-se apenas a língua inglesa e sim a todas as outras línguas faladas na União européia.

Veja o quadro em português e em inglês. São 6 níveis, e para alcançar cada um,  existe um determinado número de horas de estudos necessárias, como na tabela a seguir:

Tabela de horas de estudo X CEFR:

CEFR

 

Fonte: Cambridge Esol

O site Cambridge English criou um vídeo super didático, explicando o que é o CEFR, e você pode assistir aqui.

Assim,  para saber o seu verdadeiro nível de inglês, sempre pergunte ao seu professor/escola a qual nível da CEFR o curso que você está cursando corresponde, qualquer curso/professor deverá saber te informar. Esse tipo de informação é relevante até mesmo na emissão de algum documento que ateste teu conhecimento de inglês. Sem isso, fica difícil saber de forma objetiva em que nível você está.