Image result for job success

Muitos alunos me procuram pois precisam praticar para entrevistas de emprego em inglês. Alguns deles até já estudam inglês ou estudaram e possuem uma certa fluência mas se sentem inseguros ou gostariam de algo mais direcionado.

Tendo em vista esta necessidade, preparei uma atividade de conversação para os meus alunos e vou compartilhar aqui com os teachers que me seguem. É a primeira vez que compartilho uma atividade e peço que sintam-se a vontade para comentar, sugerir e criticar (construtivamente) o que for necessário.

A atividade consiste em videos do youtube com perguntas para discussão. O ideal é criar um oportunidade para o aluno simular as suas respostas para uma job interview.

O público alvo são alunos do nível B2 em diante.

Clique aqui para baixar o powerpoint.

Esta atividade é inspirada na atividade da Teacher Beatriz. Thank you!

 

 

0

conversaçãoEu tenho observado que ultimamente, mais e mais alunos tem me procurado querendo ter apenas “aulas de conversação”. Mas o que exatamente torna uma aula de conversação eficiente para o aluno?

Como funcionam as minhas aulas de conversação?

Em minhas aulas voltadas para “destravar a língua” eu costumo trabalhar os seguintes skills: listening, reading, speaking e writing.

  1. Primeiramente, eu escolho um texto que venha acompanhado de áudio (mais ou menos com duração de 5 minutos). Coloco este  áudio  para o aluno ouvir (sem ter  mencionado qual será o assunto). Em seguida, eu pergunto para ele o que ele pôde compreender só com o listening.
  2. A segunda etapa é dar ao aluno este mesmo texto por escrito e pedir que ele o leia. Na sequência pergunto se houve uma melhora na compreensão agora que ele teve acesso ao texto escrito, e que diferença que ele sente em relação a só ouvir e a só ler.
  3. A terceira parte do exercício é fazer com que o aluno ouça novamente o áudio acompanhado do texto escrito. Peço que ele preste atenção na pronúncia das palavras procurando identificar as palavras que ele pronuncia errado. Peço também que tome nota de suas dúvidas em relação ao vocabulário e a forma gramatical utilizados no texto.
  4. A  penúltima fase da aula é a conversação. Esta é a hora do aluno soltar o verbo e falar tudo que entendeu sobre o texto em inglês. Eu, enquanto professora, fico atenta para corrigir posteriormente os possíveis erros e também para auxilia-lo a construir frases mais complexas.
  5. O último passo é o homework (tarefa de casa),  no qual é pedido ao aluno que escreva uma redação sobre o assunto que foi tratado em aula. A redação é importante, pois é na redação que o professor consegue identificar os erros gramaticais cometidos pelos alunos e assim poderá esclarecê-los.

Espero ter ajudado tanto alunos como professores que queiram novas ideias para a prática das aulas de conversação em inglês.

Amandy Gibbons

0

homeworkblogOito entre dez alunos que me procuram para ter aulas particulares perguntam: “Você passa tarefa de casa?”. Entendo que, na maioria dos casos, a preocupação é com o tempo, afinal, todos são muito ocupados: trabalham, estudam, e precisam de tempo para a família. Porém, contudo, entretanto, todavia, sinto informar que, mesmo com as constantes atualizações pedagógicas, ainda não descobri uma forma de aprendizado na qual o aluno apenas “frequente” a aula e aprenda automaticamente. É triste, eu sei, mas é a verdade: sem “envolvimento ativo” do aluno não há aprendizado e uma das formas mais eficazes de envolvimento ativo é o homework.

Agora, por que esse tal “homework” é tão importante assim?

O homework desempenha papel de suma importância no processo de aquisição de um idioma. São tantos benefícios que é possível que eu não consiga lembrar de todos e precise atualizar este post futuramente:

– Maximiza seu contato com a língua – se você faz inglês duas horas semanais, isso representa apenas 1,2% da sua semana. Fazer homework duas vezes por semana ajuda a maximizar esta exposição, pois o seu contato com o idioma não se limitará apenas aos dias de aula.

Ajuda a fixar melhor o que você aprendeu – você aprendeu um tópico gramatical novo e fez alguns exercícios em aula. Isso significa que você está dominando o assunto, certo? Errado! Você precisa praticar o assunto novo várias vezes e em vários contextos diferentes até que o seu cérebro reconheça a informação nova como algo definitivo. Informações novas são armazenadas na nossa memória de curto prazo e, caso não seja utilizadas, certamente serão esquecidas.

Além disso, ao tentar fazer exercícios com materiais ou mídias diferentes, você entra em contato com outras abordagens e pode até mesmo ir além do que você aprendeu em sala de aula.

– Desenvolve a autonomia/“autodidatismo” do aluno – como professora eu incentivo bastante meus alunos a serem “self-learners” (autodidatas). Acredito que o papel do professor é ser um guia que mostre o caminho, mas é sempre o aluno quem vai percorrê-lo. Ao fazer “homework”, você aprende a lidar com a língua de forma autônoma e a ser responsável pelo seu aprendizado, tentando vencer desafios antes de voltar a sala de aula.

– Funciona como ferramenta de avaliação – a hora do homework é a hora de diagnosticar se você realmente entendeu o que o professor explicou em aula. Muitas vezes, mesmo tendo entendido os exemplos e tendo feito corretamente todos os exercícios da aula, é só na hora em que está sozinho que o aluno percebe algumas diferenças e que aparecem dúvidas. Durante as aulas, certas dúvidas ficam “mascaradas” pela segurança que o aluno sente com a presença do professor. Portanto, é só individualmente, fora do contexto de sala de aula, que você realmente avalia se realmente aprendeu e se consegue pôr esse aprendizado em prática.

Expande e ajuda a fixar o vocabulário – se você estuda um tópico novo em seu livro, ao fazer homework, você verá este tópico ser explorado em novos exemplos, novos contextos e até mesmo em novas palavras. Por exemplo, se você aprendeu “Jobs” (profissões) na aula e o professor passar um homework, é muito provável que nele você aprenda novas profissões que não teria aprendido se não fizesse o exercício.

– Ajuda pensar em inglês – para fazer a tarefa, muitas vezes você precisa analisar o contexto para escolher a opção correta. Isso requer, muitas vezes, que pensemos em inglês, uma vez que esses contextos podem trazer situações, ideias ou sentimentos que não fazem sentido em outra língua. Assim, o “homework ajuda que nos afastemos de nossa língua materna para interiorizar melhor os aspectos, nesse caso, da língua inglesa.

– Otimiza o tempo da “aula” – se você tem um professor realmente comprometido com seu aprendizado, ele não vai deixar você “boiando” num assunto novo. Assim, aquele ponto que você precisa fixar, se você não o fizer em casa, terá que ser feito em sala de aula. O lado ruim disso é diminuir o tempo que seria usado com conversação para praticar algo que você poderia fazer sozinho. Os materiais didáticos de adultos já vem com “answer key” (gabarito) com este mesmo propósito: otimizar o tempo de aula, devendo ser utilizando apenas para tirar dúvidas e não para corrigir todo o homework.

Por consequência, todo o processo de aprendizagem ocorre mais rápido se você faz homework. Seu aprendizado será bem mais rápido do que aquele aluno que “não tem tempo” para estudar em casa. A sua “independência” do professor será maior, uma vez que você logo acostumará a incluir o inglês no seu dia-a-dia. Ao invés de estar gastando tempo, você está na verdade ganhando tempo!

2