To be: rever ou não rever?

 

to be

Se você já começou um curso de inglês ou se pelo menos teve aulas de inglês na escola regular, com certeza você já se deparou com o famoso verb to be! Muito provavelmente você virou os olhos agora porque já deve estar de saco cheio de tanto ouvir falar neste verbo, mas tem muita coisa sobre o verbo to be que é provável que você ainda não sabe e que eu vou compartilhar com você agora.

1. O verbo To be é um verbo irregular

Ou seja, ele não segue as regras padrão da língua, ele não é conjugado como a maioria dos verbos, e portanto, você não pode usar a estrutura que aprendeu com ele como base para a criação de todas as suas frases.

2. Pronomes e verbos são seres de planetas diferentes!

Pronomes são palavras que substituem os substantivos.
Existem vários tipos de pronomes, mas o que vamos nos concentrar agora são os pronomes pessoais (subject pronouns): I, you, he, she, it, we, you e they.

Verbos são palavras que descrevem uma ação, um estado, uma sensação. Ou seja, que descreve o que o sujeito da frase faz, sente, pensa, é…

Observe a conjugação do verbo to be abaixo:

to be

Azul = pronome/ Vermelho = verbo

Quanto estamos começando a estudar inglês, aprendemos o verbo to be em conjunto com os pronomes pessoais (subject pronouns) e para alguns alunos, a combinação “pronome+verbo” vira um combo só, uma combinação que eles não conseguem separar mesmo quando estão estudando outros verbos.

Observe os exemplos:

I am a teacher – (correto)
Im work in a school – (errado, pois o ‘m não acompanha o pronome “I”)
I work in a school (correto)

3 . O “to be” dispensa o uso de auxiliares.

Por se tratar de um verbo irregular, ele não usa auxiliares como a maioria dos tempos verbais em inglês. O verbo to be consegue formar a negativa e interrogativa de forma autônoma.

to be

4 . A contração é opcional.

Para facilitar a pronúncia e tornar a sonoridade da língua mais leve, algumas letras (e até mesmo sílabas) começaram a ser naturalmente omitidas na hora da fala, e é isso que chamamos de contração.

A full form (forma cheia) é mais recomendada na língua escrita, principalmente em textos mais formais. Já na língua falada, a contracted form (forma contraída) é mais comum.

5 . Interrogativa do verbo to be.

A interrogativa do to be se faz invertendo a ordem do sujeito e do verbo. O verbo vem pra antes do sujeito. Não usando nenhum tipo de auxiliar. Existem dois tipos de perguntas diferentes, como você pode ver no quadro a seguir:

to be

As perguntas que “pedem” resposta Yes/No, não usam palavras interrogativas (what, when, where, why, how, etc…). Já as perguntas que “pedem” respostas diferentes de Yes/No precisam usar palavras interrogativas.

6 . Ser/Estar em português não é igual a “to be” em inglês.

Muito cuidado com traduções. Não é porque uma frase usa o verbo ser ou estar em português que será traduzida com o “to be” em inglês. É importante entender a mensagem que você quer transmitir e procurar o corresponde no outro idioma, que pode ser ou não com o mesmo verbo.

Veja os exemplos a seguir:

How old are you?
Quantos anos você tem?

Is there a bank near here?
Há um banco aqui perto?

Como você viu, tem frase que em inglês usa o to be e que no português é o verbo ter, haver, entre outros.

7. O verbo to be é base para outros verbos.

Muita gente acha o verbo to be bobo e se chateia quando o professor quer revisa-lo, mas elas esquecem que o to be é base para vários outros verbos e tempos verbais, tais como: presente contínuo, voz passiva, to be able to, to be supposed to, passado contínuo, voz direta/indireta… . Enfim, muitas construções que deixam a sua fala mais rica que você pode estar errando só por não dominar o verbo to be. Que tal acabar com isso agora? Clique aqui para fazer vários exercícios com o verb to be.

Gostou do texto? Quer agradecer e nos ajudar a escrever ainda mais? É fácil ! Você pode simplesmente clicar em um dos ícones abaixo e divulgar este post a todos que precisam aprender inglês. Você também nos ajuda, seguindo nossos perfis no Facebook e no Instagram!

0

promessasTodo começo de ano é a mesma coisa, fazemos listas de coisas que não fizemos no anterior e promessas de coisas que adoraríamos mudar. Para muitos, a lista funciona, para outros, não passa de promessa de ano novo. Eu confesso que me enquadro no meio-termo, e uma das minhas promessas é sempre tentar ajudar ainda mais vocês a aprender inglês. E por isso vamos começar o ano, aprendendo a como escrever as nossas new year resolutions em inglês.

Como escrever suas promessas de ano novo em inglês

Going to

Quando estamos falando de planos para o futuro, usamos o going to combinado ao verbo to be no presente. Já falamos mais dele aqui. 

I’m going to watch more TV series in English.
Eu vou assistir mais séries de TV em inglês.
I’m not going to watch dubbed films anymore.
Eu não vou mais assistir filmes dublados.

 Intend/Plan

O verbo to intend e o verbo to plan, descrevem intenções de fazer algo. Lembrando que são sempre seguidos de to + infinitivo.

I’m planning to travel to an English speaking country.
Estou planejando viajar para um país de língua inglesa.
I intend not to create excuses for myself anymore.
Eu pretendo não mais criar tantas desculpas para mim mesmo.

 Hope

Este verbo é mais usado para descrever a sua expectativa, o que você “espera” que aconteça neste ano. Também é seguido de to+infinitivo.

I hope to improve my speaking this year.
Espero melhorar minha conversação este ano.
I hope not to skip so many classes.
Espero não faltar tantas aulas.

 Think about

Use esta expressão quando você tiver vontade de algo mas não tem ainda certeza se é algo que você quer fazer. Neste caso, o verbo é seguido de ING.

I’m thinking about buying a new grammar book.
Estou pensando em comprar uma gramática nova.

 É isso aí, e vocês, já fizeram a listinha de vocês? Quais as resolutions de vocês para 2016? Que tal completar a lista e enviar pra mim nos comentários?

I’m going to ______________________
I’m not going to ___________________
I’m planning to ___________________
I intend to_______________________
I hope to ________________________
I hope not to ______________________
I’m thinking about __________________

0

series

Assistir séries em inglês é, sem dúvida, uma das formas mais baratas e eficazes de se aprender inglês. Tenho certeza que algum professor já o aconselhou a fazer isso e se por algum motivo você ainda não entendeu o porquê de tanta insistência, está na hora de você entender as vantagens e melhoras que elas podem trazer. Vejamos:

NO GERAL

As séries podem ser consideradas uma forma de IMERSÃO no idioma, pois, aos poucos, você se acostuma a só ouvir em inglês e, sem perceber, começa a “pensar” também em inglês, de uma forma bem natural e principalmente divertida. Além disso, é bastante comum se acostumar com a personalidade de certos personagens a ponto de conseguirmos até mesmo antecipar o que vão dizer em determinadas cenas (e tudo em inglês, claro!).

VOCABULÁRIO

O vocabulário das séries é bem mais realista e atualizado que o vocabulário dos livros didáticos usados para estudar inglês. Os diálogos são mais parecidos com aqueles que gostaríamos de manter no dia a dia, ricos em expressões idiomáticas e gírias mais modernas. Expressões como “are you fucking kidding me?” (você tá de zoeira comigo?) dificilmente aparecerão no seu livro, e são suuuuuper comuns em séries (e na vida real).

LISTENING

A melhor forma de melhorar o seu listening é ouvindo inglês todos os dias. E nada melhor que ouvir o inglês real, falado em ritmo natural, com todas as junções de palavras que são comuns aos falantes nativos. Claro que no começo é meio difícil de entender, mas a insistência é que vai tornar a compreensão mais fácil.

PRONÚNCIA

Quanto mais você ouve inglês, melhor você pronuncia! Isto acontece porque você acostuma o ouvido com a pronúncia e entonação correta e tende a tentar imitar os seus atores favoritos. Quando você não ouve muito inglês, tem uma tendência a “aportuguesar” a pronúncia e fica aquela “fala pesada”, meio estranha e muitas vezes até incompreensível.

GRAMÁTICA

Se você entende as regras dos verbos mas não consegue lembrar na hora de falar, se tem dificuldades de se lembrar da preposição das palavras nas orações e se também se enrola todo(a) ao tentar lembrar o passado dos verbos irregulares… assistir séries também pode ajudá-lo com isso! Na língua portuguesa não “pensamos” antes de montar as frases porque ouvimos português todos os dias. O mesmo também pode acontecer com o inglês, desde que você se exponha ao idioma todos os dias.

 COMO ASSISTIR ÀS SÉRIES

Eu aconselho que, quem ainda é iniciante, escolha uma série e comece a assisti-la a partir do 1º episódio da 1ª temporada e faça uma sequência, assistindo a, pelo menos, um episódio todos os dias.  O efeito não será o mesmo se você assistir a quatro episódios em um dia e ficar uma semana sem assistir nada, pois, para fazer efeito, o que conta é a repetição e a constância.

Veja o roteiro que eu sugiro:

  1. Eu sugiro que o aluno comece assistindo toda a série com áudio em inglês e legenda em português. Sei que alguns alunos se espantam, mas isso é importante para que você entenda a estória e acostume o ouvido aos poucos.
  2. Ao terminar de assistir a todas as temporadas e a todos os episódios da série, comece a assistir novamente a mesma série, desta vez com áudio e legenda em inglês. Dessa forma, você já conhece a estória e vai tentar associa-lá ao que você lê e ao que você ouve em inglês.
  3. Por último, recomece a assistir tudo novamente, mas dessa vez, apenas com áudio em inglês e sem legenda. Como você já lembra da estória, o foco agora será no áudio e na pronúncia.

Em todos os casos, é interessante manter um caderninho para anotar as palavras novas e até mesmo dicas de pronúncia.

Como vocês viram, as vantagens de se assistir séries são muitas, sem falar que é superdivertido. Para quem não tem este hábito, vale a pena começar a cultiva-lo, pois séries ajudam não apenas na aquisição do idioma, mas também na manutenção do mesmo. E se você tem preguiça só de pensar em assistir a uma série, uma motivação extra para você: como professora, tenho observado que quem assiste séries TODOS OS DIAS consegue concluir os níveis bem mais rapidamente que alunos que não assistem ou assistem esporadicamente, encurtando assim o tempo necessário para chegar a tão sonhada fluência. Maravilha, não acha?

0

present perfectSe tem um tempo verbal que praticamente todos os alunos falam que nunca entenderam é o Present Perfect. E se você também já reclamou quando viu no livro que a próxima unidade seria sobre Present Perfect, não se sinta mal: é totalmente compreensível ter dificuldade em absorver este tempo verbal, uma vez que em português não temos um tempo verbal correspondente. E por favor, não tente traduzi-lo como “tenho feito” ou “tenho morado” que não vai dar certo!

O primeiro passo para entender melhor o present perfect é entender a sua estrutura. Para formar este verbo precisamos de 2 elementos básicos:  o “have/has” que funciona como auxiliar e o verbo principal no past participle (lembra aquela 3ª coluna das tabelas de verbos presentes nos livros e gramática?).

present perfect

Veja alguns exemplos:

I have cleaned / I’ve cleaned
You have been / You’ve been
He has lost / He’s lost
She has started / She’s started
We have broken / We’ve broken
They have done / They’ve done

Há ainda as formas negativas…

I have not cleaned / I haven’t cleaned
You have not been / You haven’t been
He has not lost / He hasn’t lost
She has not started / She hasn’t started
We have notbroken / We haven’t broken
They have not done / They haven’t done

…e interrogativas:

Have I cleaned...?
Have you been …?
Has he lost …?
Has she started …?
Have we broken ...?
Have they done ...?

E quando usar o present perfect?

Acredito que o que muito confunde os alunos é o fato do nome do tempo verbal ser “present perfect”, mas na verdade ele se refere a algo que aconteceu no passado. Porém, tem uma variável importante: ele se refere a algo que aconteceu no passado, mas que tem algum tipo de resultado ou influência na situação atual (ou seja, no presente). Ficou difícil? Vejamos algumas situações:

 1 – Experiências gerais no passado

As vezes queremos falar de algo que aconteceu no passado mas queremos nos referir apenas a experiência de forma geral. Por exemplo:

I’ve been to Europe but I’ve never been to Asia. – Eu fui a Europa, mas nunca fui a Asia.

 Se eu quisesse falar especificamente da minha experiência na Europa, eu usaria o Past Simple:

I went to Europe 2 years ago. – Eu fui a Europa há 2 anos atrás.

 Para perguntar sobre estas experiências, costuma-se usar a palavra “ever” nas perguntas, da seguinte forma:

Have you ever eaten sushi?       Você já comeu sushi?
Have you ever spoken to a celebrity?     Você já falou com uma celebridade?
Have you ever played golf?      Você já jogou golf?
Have you ever flown by helicopter?       Você já voou de helicóptero?
Have you ever broke an arm or a leg?      Você já quebrou um braço ou uma perna?

 Não simplesmente absorva a palavra ever como “já”, pois há várias formas de traduzir a palavra “já” para o português dependendo do contexto e da situação. Neste contexto específico, usamos ever quando queremos saber se a pessoa passou por uma determinada experiência em algum momento da sua vida.

 2 – Situações passadas que afetam diretamente decisões ou ações presentes:

Observe o seguinte diálogo:

Doctor: Are you allergic to any substance?
Patient: I don’t know.
Doctor: Have you ever taken a penicillin injection?
Patient: Yes, I have
Doctor: Did you have any reaction?
Patient: No, nothing happened.

Ao perguntar se o paciente já tomou uma injeção de penicilina o médico pretende descobrir se o paciente tem alergia a esta substancia. Como o “fato” é um fato geral e não se refere a um momento específico, o médico pergunta usando o present perfect. Quando o paciente afirmou já ter recebido a injeção, o médico faz uma pergunta mais específica, referindo-se a uma experiência específica (se o paciente teve alguma reação ao tomar a injeção de penicilina).

Entendemos aqui que a decisão atual do médico é baseada numa experiência passada do paciente, pois o fato de ele ter usado  esta substância é mais relevante que o quando ele a usou.

Outros exemplos:

I’ve lost my passaport.
Perdi meu passaporte.
Como afeta o presente: agora eu não estou com meu passaporte.

John doesn’t want to go to the cinema because he’s watched this film before.
John não quer ir ao cinema porque ele já viu este filme.
Como afeta o presente: O fato de John ter assistido ao filme em algum momento no passado faz com que ele não queira ir ao cinema agora no presente.

I’ve washed my car.
Lavei meu carro.
Como afeta o presente: o carro agora está limpo.

I’m going to postpone my test because I haven’t studied anything.
Vou adiar o meu teste porque eu não estudei nada.
Como afeta o presente: O fato de não ter estudado no passado faz com que eu decida adiar o meu teste agora no presente.

Resumindo, temos:

present perfect

2

infinitivo

O que é o infinitivo?

Infinitivo, a contrário do que alguns alunos pensam, não é um tempo verbal. Ele é a forma básica ou forma pura do verbo, ou seja, é como você vai encontra-lo no dicionário: sem variações de plural ou de tempo verbal. O infinitivo se apresenta de duas formas:

Full infinitive : to + o verbo.
to work (trabalhar), to stay (ficar) , to live (viver), to drink (beber), to clean (limpar)…

Bare infinitive: só o verbo
work, stay, live, enjoy, clean…

Quando usar o infinitivo com o to?

Há algumas situações nas quais devemos usar o full infinitive, que descrevo a seguir:

 1. Para dizer a finalidade ou propósito de algo.

Geralmente aparece na segunda parte da oração respondendo a pergunta “why?”. Veja os exemplos:

Mônica went to São Paulo to see Kandinsky’s exhibition.
Mônica foi para São Paulo para ver a exposição do Kandinsky.

Erich woke up early to run in the park.
Erich acordou cedo para correr no parque.

2. Após adjetivos/advérbios não seguidos de preposição.

 Existe uma sequência comum para estas frases:

infinitivo

 

 

 

It’s necessary to arrive in the airport 3 hours before an international flight.
É necessário chegar no aeroporto 3 horas antes de um vôo internacional.

It’ll be good for him to go out and meet new people.
Vai ser bom para ele sair e conhecer pessoas novas.

3. Depois de alguns verbos.

De acordo com a regência verbal de alguns verbos, eles “exigem” que o complemento, caso seja um verbo, esteja na forma do infinitivo + to. Observe:

Marcela wants to travel abroad but she doesn’t have a passport.
Marcela quer viajar pra fora do país mas ela não tem passaporte.

My neighbor offered to help me find a new apartment.
Meu vizinho ofereceu me ajudar a encontrar um novo apartamento.

Neste caso, o verbo “want” e o verbo “offer” exigem que seus verbos complementares estejam no infinitivo.

Alguns outros verbos que exigem infinitivo são:

agree (concordar), appear (aparecer), decide (decidir), learn (aprender), manage (gerenciar), need (precisar), plan (planejar), pretend (fingir), promise (prometer), refuse  (recusar), seem (parecer), tend (tender). 

4. Infinitivo com question words (palavras interrogativas).

Os verbos ask (perguntar), decide (decidir), explain (explicar), forget (esquecer), know (saber), show (mostrar), tell (contar) e understand (entender) podem ser seguidos por uma palavra interrogativa* + o infinitivo com to.

Tony asked me how to use the coffee machine.
Tony me perguntou como usar a maquina de café.

I forgot where I put my glasses again!
Eu esqueci onde eu pus meus óculos novamente.

Do you understant what to do?
Você entende o que tem que fazer?

*palavras interrogativas: where (onde), how (como), what (o que/que), who (quem)  e when (quando).

Resumindo, temos:

infinitivo

 

0

some e anyAs palavras SOME e ANY  são classificadas como quantifiers ou quantificadores numa livre tradução. Eles são usados quando não sabemos a quantidade exata de algo e precisamos expressar uma quantidade aproximada. Apesar de ter a mesma função, eles são usados de formas especificas, e variam de acordo com o substantivo que antecedem e se a frase é afirmativa, negativa ou interrogativa.

Some e Any são geralmente usados antes de substantivos, assim é comum ler:

some friends: alguns amigos
some people: algumas pessoas
any books: nenhum livro

A melhor tradução para SOME é “algum” e todas as suas variações, e para o ANY seria “nenhum” e todas as suas variações.

  Usos do SOME

  1.  É usado em frases afirmativas antes de substantivos contáveis no plural.

There are some oranges in the fridge.
Há algumas laranjas na geladeira.

I need to buy some eggs to make a cake.
Eu preciso comprar alguns ovos para fazer um bolo.

Everybody has some regrets in life.
Todo mundo tem alguns arrependimentos na vida.

 A palavra “oranges”,“eggs”  e regrets são contáveis, por isso eu usei SOME.

 IMPORTANTE! 

Para substantivos contáveis no singular, usamos a/an:

There is an orange in the fridge.
Há uma laranja na geladeira.

I need to buy an egg to make a cake.
Eu preciso comprar um ovo para fazer um bolo.

Everybody has at least a regret in life.
Todo mundo tem pelo menos um arrependimento na vida.

  2.É usado em frases afirmativas antes de substantivos incontáveis:

I have some free time before the class.
Eu tenho algum tempo livre antes da aula.

I bought some bread when I was coming home.
Eu comprei um pouco de pão quando estava vindo pra casa.

There is some milk in the fridge.
Tem algum leite na geladeira.

 A palavra time, bread e milk são incontáveis, por isso a escolha do some.

 3. É usado em alguns tipos de perguntas.

 De forma geral, some não é usado em perguntas. Porém quando a pergunta tiver intenção de oferecer ou solicitar algo, aí sim podemos usar some.

Would you like some tea?
Você gostaria de um pouco de chá?

Can I have some water?
Posso tomar um pouco de água?

Can you lend me some money?
Você pode me emprestar algum dinheiro?

Usos do ANY

  1. Any é usado em frases negativas.

Aqui não faz diferença se o substantivo que ele antecede é contável ou incontável.

We don’t have any milk.
Não temos nenhum leite.

There isn’t any bread in the fridge.
Não tem nenhum pão na geladeira.

I didn’t bring any books to school today.
Eu não trouxe nenhum livro para a escola hoje.

  1. Any é a principal escolha quando vamos fazer perguntas em inglês.

Quando a função da frase interrogativa é realmente perguntar sobre a existência ou quantidade de algo, usamos ANY. Se a função da pergunta for estamos realmente querendo uma informação sobre a quantidade de algo. Lembrando que, conforme visto acima, quando a pergunta é uma for solicitar ou oferecer algo, usamos some.

Do we have any milk?
Você tem algum leite?

Is there any bread in fridge?
Há algum pão na geladeira?

Are you going to buy any clothes?
Você vai comprar algumas roupas?

 Podemos resumir tudo no seguinte gráfico:

someany2

 

 

 

 

 

 

 

E aí, ficou fácil agora? Espero que sim! Espero que este post seja útil para você e se você acha que pode ser útil para algum amigo, compartilhe com ele. Se tiver ficado alguma dúvida ou sugestão para algum post futuro, só deixar nos comentários.

2

zero

 

Há algumas situações na vida nas quais precisamos pensar em alternativas para algo que estamos vivendo ou fazendo. Estas alternativas são as vezes possíveis e as vezes bastante improváveis, mas seja como for, as vezes precisamos considera-las. E você sabe como expressar estas alternativas em inglês? Se não, vem comigo que vou te ajudar: estas alternativas são chamadas de CONDICIONAIS,  e elas servem para expressar todas as hipóteses e alternativas que consideramos a respeito de algo, ou seja, elas a existência do “e se…”.

As condicionais são frases criadas para determinar situações que não aconteceram (nem necessariamente vão acontecer) mas que devem ser consideradas. Estas situações vamos chamar de CONDIÇÕES e vamos concordar que para cada uma destas CONDIÇÕES teremos um possível RESULTADO. Assim, se não há condição, não há resultado.

Todas as condições em inglês são introduzidas pela palavra “IF”, e por isso, ela também é conhecida como IF-clause.

Há quatro tipos de condicionais em inglês (sim, quatro!) e cada uma delas corresponde a um tipo de “se”, ou seja, a um tipo de combinação condição+resultado. Hoje vamos estudar a ZERO CONDITIONAL.

A ZERO CONDITIONAL é a condicional do “curioso”, daquela pessoa que quer saber o que acontece caso ele toque naquela panela que sua mãe tanto lhe avisou para não tocar. É também a do “sempre” pois sempre que a condição acontece, o resultado é mesmo. Ela descreve resultados tão regulares que funcionam como regras, ordens ou até mesmo verdades universais.

 

A estrutura da ZERO CONDITIONAL:

As orações são formadas de duas “clauses”, uma com a condição e a outra com o resultado. As duas “clauses” aparecem no PRESENTE SIMPLES, o que faz muito sentido, pois este é o tempo verbal que fala de rotina e de “verdades absolutas”.

Observe:

zero

 

Veja os exemplos:

If you put water in the freezer, it becomes ice. (Se você colocar água no refrigerador, ela vira gelo).

If someone removes this brick, the table falls. (Se alguém remover este tijolo, a mesa cai.).

If babies are hungry of thirsty, they cry. (Se bebês sentem fome, eles choram.)

If something happens, I call you. (Se algo acontecer, eu ligo para você.)

If I arrive late for work, my boss calls me in his office. (Se  eu chego atrasado para o trabalho, meu chefe me chama no seu escritório.)

If she doesn’t give a lift, I don’t go to the gym. (Se ela não me dá carona, eu não vou para a academia).

 

Também é possível “inverter” as ordens das frases, sem haver problemas no sentido das  mesmas. A estrutura continua sendo igual. Ou seja, a “if-clause” pode ser deslocada para o fim da oração e a “main clause” pode vir primeiro.

 

zero

 

Dogs bark if they see cats. (Cachorros latem se eles virem gatos)

People die if they don’t eat. (As pessoas morrem se elas não comerem)

My husband gets really angry if I don’t let him play vídeo game. (Meu marido fica com raiva se eu não deixar que ele jogue video-game).

I arrive home late if I miss the 8 o’clock train. (Eu chego em casa tarde se eu perco o trem das 8 horas.)

The river gets dry fast if it doesn’t rain regularly. (O rio seca rapidamente se não chove regularmente)

Como vocês podem perceber, a ZERO CONDITIONAL é super simples, é apenas a combinação de duas frases no presente simples, nas quais uma é “resultado” da outra. Tenho certeza que se você olhar ao seu redor, vai ver um monte de exemplos de coisas que “só acontecem se outra coisa acontece também”, e estas são as situações nas quais você pode usar a ZERO CONDITIONAL.

Se você quiser testar seus conhecimentos, eu anexei um exercício. É só clicar com o botão direito do mouse e “salvar como”.

Zero conditional EXERCISE

Espero que tenham entendido e que tenham gostado. Se tiver ficado alguma dúvida ou sugestão para algum post futuro, só deixar nos comentários. Não esqueça também de nos seguir nas nossas redes sociais e de compartilhar o conhecimento com seus amigos.

0

verbosdinamicos

Muitos de vocês já devem ter visto e ouvido o slogan do Mcdonalds “AMO MUITO TUDO ISSO”, certo? Alguns de vocês devem também saber que o slogan original em inglês é “I’m loving it”, ok? O que talvez pouca gente saiba é que este slogan causou muita polêmica quando foi lançado em 2003. Esta polêmica aconteceu porque, em termos gramaticais, “I’m loving it” está errado, o correto seria “I love it”, mas é bem provável que esta segunda opção não tivesse o mesmo apelo publicitário que “I’m loving it” tem até hoje!

…mas porque “I’m loving it” está errado?

No que se refere a significado, os verbos em Inglês podem ser classificados em duas categorias:  verbos estáticos (stative verbs) e verbos dinâmicos (dynamic verbs). Para entender a diferença, vou explicar cada um deles:

Dynamic Verbs – verbos dinâmicos

Também conhecidos como action verbs, descrevem ações que executamos, coisas que acontecem e muitas vezes tem conotação de movimento. Os verbos dinâmicos podem ser usados em todos os tempos verbais, pois as ações podem indicar começo e fim.

Exemplos:

       Mario plays football with his friends every weekend.

       Mario can’t answer the phone now because he’s playing football.

       It rains a lot in the summer in Brazil.

       Take an umbrella with you, it is raining.

Não existe uma lista completa de verbos dinâmicos, pois eles representam a maioria. Portanto, é sempre importante observar a “ideia” do verbo para decidir se é algo possível de delimitar ou não.

 

ALGUNS VERBOS DINÂMICOS

build, buy, cook, drink, eat, fix, go, grow, jump, listen, mix, narrate, organize, read, record, say, sell, sing, speak, talk, travel, type, watch, work, write

 

Stative Verbs – verbos estáticos

Também conhecidos como non-action verbs, descrevem estados, sentimentos, sensações, ou seja, situações que não mudam ou mudam muito lentamente, por exemplo: algo em que você acredita, pensa, possui ou algo que simplesmente existe. Os verbos estáticos geralmente transmitem ideia de percepção, conhecimento ou relação entre as coisas e por esta razão não são usados nos tempos verbais progressivos (contínuos). Em outras palavras, não podem ser usados em nenhuma combinação de to be + ING.

Exemplos:

I absolutely love milk chocolate but I hate dark chocolate.

Agnostic people believe that it isn’t possible to know if God exists or not.

Atheists believe that there is no God.

This box contains 150 tissues.

 

ALGUNS VERBOS ESTÁTICOS

agree, appear, be, believe, belong, contain, consist, depend, deserve, feel, forget, hate, have, hear, know, like, love, mean, need, own, prefer, remember, smell, see, think, understand, want, wish.

 

Verbos estáticos e dinâmicos ao mesmo tempo

Alguns verbos podem ser considerados estáticos ou dinâmicos, dependendo do contexto, ou seja, em alguns casos eles vão ser considerados dinâmicos e em outros, assumirão a característica estática.

Veja alguns casos:

1 – Verbo to be

Geralmente usado como verbo estático:

She’s an excellent pediatrician. (Ela é uma ótima pediatra)

Assume o caráter dinâmico quando significa “comportar-se” ou “agir”, podendo assim ser usado na forma contínua:

Stop with this, you’re being ridiculous! (Pare com isso, você está sendo ridículo!)

 

2 – Verbo HAVE

Geralmente usado como verbo estático, significando ter ou possuir.

He has two brothers and one sister. (Ele tem dois irmãos e uma irmã).

Assume o caráter dinâmico quando seguido de um complemento que muda o significado original.

She can’t talk right now, she’s having lunch. (Ela não pode falar agora, ela está almoçando.)

 

3 – Verbo THINK

Geralmente usado como verbo estático quando você diz a sua opinião sobre um determinado assunto:

I think everybody should start working at the age of 16. (Eu acho que todos deveriam começar a trabalhar aos 16 anos.)

Quando a ideia é planejar algo, ele pode ser usado como um verbo dinâmico:

I’m thinking about travelling to Spain on my next vacation. (Estou pensando em viajar para a Espanha nas minhas próximas férias.)

 

ALGUNS VERBOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS

feel, mind, look, remember, see, taste, smell, sound

 

Voltando para a nossa pergunta original, no caso do slogan do Mcdonalds, “I’m loving it!” seria gramaticalmente errado. Porém, a publicidade, assim como a poesia e a música, usa de recursos diversos para comunicarem e enfatizarem uma ideia, de forma que estes desvios linguísticos são comuns e muitas vezes conhecidos como “licença poética”. Portanto, da próxima vez que viajar e se deparar com este slogan, não estranhe! Just love it!

1

15 minutos para aprender iinglês

Sendo professora há mais de 15 anos e tendo dedicado os meus últimos 5 anos a atender apenas ao público adulto, é claro para mim que as rotinas estão cada vez mais apertadas e que a “falta de tempo” tem sido um dos principais obstáculos para que as pessoas aprendam inglês. Porém, acredito que com planejamento e foco sempre conseguimos driblar os obstáculos e tento sempre ensinar aos meus alunos que conseguimos sim aprender inglês, mesmo que só possamos nos dedicar 15 minutos por dia.

Dia desses, lendo este artigo da Thais Godinho (blog Vida Organizada) sobre como acabar com a tralha em apenas 15 minutos, pensei que seria uma boa adaptar a ideia para a realidade daqueles que precisam aprender inglês mas não tem tempo. Sugiro que leiam o artigo da Thais para entender melhor a ideia, que é bem simples: trata-se apenas de estabelecer uma rotina diária de apenas 15 minutos para se dedicar a algo (no nosso caso, aprender inglês).

20 Atividades para aprender inglês em apenas 15 minutos:

1. Praticar gramática, mesmo que seja apenas 01 ou 02 questões.

2. Assistir vídeos de um minuto no site English in a minute.

3. Ouvir a mesma música várias vezes e tentar entender a letra anotando expressões e palavras.

4. Ouvir música e acompanhar a letra no site Vagalume.

5. Ouvir música e tentar completar a letra no Lyrics Training.

6. Assistir 1 ou 2 vídeos da série da BBC 6-minute-English.

7. Praticar escrita no site One Word, este site te dá uma palavra diferente a cada dia para que você escreva o que vier a cabeça porém apenas durante um minuto. Não pense, apenas escreva!

8. Ouvir podcasts, baixe podcasts com frequência e sempre que tiver um tempinho ouça com atenção. Alguns sites com podcasts são: BBC Podcast, ESL POD, CHINA 232 e Real Life.

9. Assistir vídeos no EngVid.

10. Escreva um parágrafo em inglês contando como foi o seu dia anterior(como um diário).

11. Praticar gramática online. Sites como English Page ou English-Hilfen trazem várias atividades online mas há vários outros sites com esta finalidade.

12. Ler um artigo curto de alguma revista online sobre um tema de seu interesse, ou um trecho de um livro de inglês adaptado.

13. Assista uma palestra do site Ted.com. Há palestras de vários temas e durações diferentes, escolha uma que seja interessante para você.

14. Se o seu livro de estudo tem um Cd-Rom ou um site com atividades, aproveite estes 15 minutos para coloca-los em dia.

15. Mantenha um caderno de vocabulário e anote expressões novas sempre que aprendê-las. Use estes 15 minutos para criar frases com as palavras que você aprendeu.

16. Siga páginas no Facebook ou perfis no Instagram que dão dicas de inglês (como o @teacherrenata) e anote novas expressões no seu caderninho.

17. Re-assista séries (ou seja, episódios que você já viu) e aproveite para fazer anotações de vocabulário. Em 15 minutos você verá apenas metade do episódio, a outra metade você assistirá no seu próximo intervalo de 15 minutos.

18. Baixe algum app de aprendizado de inglês no seu celular, como o Duolingo, Busuu, Babbel e Lingua Leo, entre outros.

19. Ouça novamente algum listening que você ouviu na aula e achou complicado. Se necessário, leia o audioscript.

20. Pratique pronúncia gravando a própria voz e comparando com a pronúncia do dicionário. Para isso, use o aplicativo de gravação de voz do seu celular e algum bom dicionário online como o Cambridge Dictionary.

21. Grave a si mesmo respondendo perguntas. Em alguns sites como o Conversation Starters é possível achar perguntas dos mais diferentes tipos e graus de complexidade. Você pode pensar na sua resposta antes de gravar e também pesquisar o vocabulário que não souber. Use o gravador do seu smartphone para gravar respostas de 30s a 1 minuto dependendo do grau de complexidade da pergunta.

O importante é que estes 15 minutos virem rotina, então, tentem organizar a agenda de vocês de forma a estabelecer este intervalo de 15 minutos todos os dias e alternem as sugestões acima para não ficar repetitivo e para ampliar as habilidades praticadas. Se planejem com antecedência, tendo acesso a esta lista e aos materiais necessários em todos os lugares para evitar que caiam na desculpa de “não ter o material com você”. Lembrem-se: “a desculpa de hoje vira o hábito de amanhã”. Mantenham o foco, insistam e o resultado virá!

Se você tiver alguma sugestão de alguma outra atividade que pode ser feita em 15minutos ou se apenas não entendeu como por em prática alguma delas ou tiver qualquer outra sugestão, não deixe de compartilhar conosco. E se gostou do artigo, divulgue com os seus amigos e siga as nossas redes sociais!

1

fluentemente

Você entende inglês e não consegue falar? Quando participa de reuniões em inglês, você faz anotações, consegue entender (pelo menos de forma geral) mas dá um “branco” na hora de ter que expressar a sua opinião? Não se preocupe! Você não está sozinho! MAS SE… você acha que já fez de tudo (tudo mesmo) e ainda não consegue falar fluentemente,  eu vou pedir pra você se perguntar: “Será mesmo que já fez tudo? Leia estas 10 dicas e avalie se você realmente está no caminho certo ou se está apenas se deixando enganar. Caso esteja, continue e insista!!! Caso contrário, esta é a hora de aprender bons hábitos que vão te ajudar a chegar a quebrar este “medo” da hora de falar.

 

1) Entenda e aceite que não há “formula mágica” para falar fluentemente.

Isto quer dizer que NÃO há fórmulas secretas ou super eficientes que possam garantir fluência rapidamente. Há metodologias diferentes e algumas são melhores que outras (por exemplo, praticar diálogos verdadeiros e usar a língua com frequência ao invés de apenas memorizar regras gramaticais).

No entanto, tornar-se fluente em inglês – ou qualquer outro idioma – é um processo de longa duração.

 

 2) Use inglês no seu dia-a-dia o máximo possível.

Mesmo que você não more em um país de língua inglesa, há vários modos de se fazer isso!

  • Ouça inglês enquanto você dirige para o trabalho.
  • Leia notícias online em inglês ao invés de em sua língua nativa.
  • Pratique pensar em inglês enquanto você está fazendo trabalhos domésticos ou se exercitando.
  • Leia artigos, ouça podcasts e assista vídeos em inglês a respeito de temas que você gosta (isto é muito importante, pois você terá muito mais sucesso se você se divertir durante o processo).

 

3) Equilibre as áreas de aprendizado da língua

Reading (leitura)
Writing (escrita)
Speaking (fala)
Grammar (gramática)
Vocabulary (vocabulário)

Muitos alunos erram ao concentrar-se muito em apenas uma ou duas áreas, o que os torna fracos nas demais. Uma dica é dedicar um dia por semana para estudar e praticar cada área, uma vez que elas estão interligadas. Por exemplo: ao estudar “reading” você está automaticamente absorvendo gramática e vocabulário, o que vai te ajudar a pensar em inglês e por consequência, falar fluentemente.

 

4) Encontre um parceiro de conversação fixo através de um site de “prática de conversação”.

 

fluentemente

 

Se você não tem com quem praticar inglês fora de sala de aula, ou se sente envergonhado de praticar com amigos e parentes, que tal conversar com desconhecidos? Existe alguns sites que reúnem pessoas com o mesmo propósito que o seu: italki.comverbling.comsharedtalk.org,  e outros, você pode conhecer falantes nativos de inglês que querem aprender a sua língua nativa – desta forma, vocês podem ajudar um ao outro a aprender e praticar. Tente falar com o seu parceiro pelo menos uma vez por semana.

 

 5) Leia, assista e ouça inglês em vários contextos diferentes.

Se você assiste apenas programas de notícias em inglês, você será capaz de entender um estilo de inglês mais formal, mas terá dificuldade em entender um diálogo típico entre dois falantes nativos, que é geralmente cheio de gírias e expressões idiomáticas.

Por outro lado, se você assiste só filmes e ouve músicas em inglês, talvez você não seja capaz de entender (ou escrever) um artigo acadêmico ou um relatório profissional. Se você precisar de inglês para o trabalho, aí será dífícil conversar sobre outros assuntos porque você não terá o vocabulário necessário.

Assim, tente ao máximo diversificar o seu contato com inglês: ficção e não ficção, formal e informal, palestras e diálogos, assuntos sérios e comédia, etc.

 

6) Aprenda a pensar em inglês.

fluentemente

 

Este é um dos verdadeiros segredos para atingir a fluência em inglês: como aprender (ou como se acostumar)a pensar em inglês.

Há um passo-a-passo que você pode seguir – primeiro, comece a pensar em palavras isoladas em inglês, depois comece a pensar em frases em inglês e finalmente imagine diálogos inteiros e estórias em inglês.

Esta é uma das melhores formas de praticar inglês, porque se você cometer um erro, ninguém saberá.

 

7) Use palavras novas ao falar – seja criativo!

Um dos maiores obstáculos para a fluência de inglês são a ausência de vocabulário e as consequentes pausas e hesitações. Isto geralmente ocorre porque você tem uma ideia mas não é capaz de expressá-la em inglês, o que pode ser bastante frustrante. Portanto, se você não sabe uma palavra em particular, tente pensar em um modo alternativo de expressar a sua ideia.

Veja o exemplo: em um dialogo sobre culinária, meu aluno não sabia a palavra em inglês para cebola (onion), e ao invés disso ele falou “the white vegetable that when you cut it you cry” (o vegetal branco que ao cortar você chora) – foi uma descrição perfeita, e eu entendi exatamente o que ele quis dizer!

O mesmo vale para frases em inglês. As vezes você quer falar algo de um certo modo porque você está traduzindo diretamente da sua língua nativa, mas você não sabe como construir a frase em inglês. Claro que aprender a pensar em inglês vai ajuda-lo a evitar este problema, mas também tente ser mais flexível e pense em maneiras diferentes de transmitir a mesma mensagem. Os falantes nativos também tem mais de uma forma de dizer a mesma coisa – observe, por exemplo, as diferentes formas de se dizer “hello” e “goodbye” em inglês.


8) Que tal falar sozinho?

Esta é uma forma realmente EXCELLENTE para desenvolver a fluência e aumentar a sua autoconfiança. Não há pressão para soar perfeito e ninguém mais irá ouvir os seus erros.

Para ideias de conversação, vá neste site e escolha um tópico. Depois pratique responder estas perguntas conversando com você mesmo em voz alta.

 

 9) Não pense tanto na gramática e não se preocupe com erros.

Um dos maiores bloqueios mentais para estudantes de inglês é ficar nervoso ou com medo de cometer um erro – ou ter vergonha se não falar perfeitamente. Lembre-se: comunicação é MUITO mais importante que a perfeição.

Veja este exemplo: imagine que alguém diz  “Yesterday I go to party in beach.”

A frase está incorreta, o correto seria “Yesterday I went to a party on the beach.”

Porém, mesmo com os erros, a frase transmite a mensagem completamente!

Claro que com o tempo você vai começar a corrigir os seus próprios erros – mas para diálogos do dia a dia, relaxe e lembre-se que erros não são fatais, o importante é se comunicar.

 

 10) Nunca desista … não pare de aprender!speak

Eu já tive vários alunos que estudaram por poucos anos, e depois param…depois começam de novo, depois param por um longo tempo, e então recomeçam…talvez você,

Inconscientemente, já tenha feito isso. O problema é que gera um efeito sanfona, e você perde o progresso que tinha feito anteriormente e para se tornar realmente fluente é preciso de mais tempo.

A boa noticia é que não é necessário ser gênio para falar fluentemente em inglês – você só precisa de disciplina para se dedicar e praticar de forma consistente…se você fizer isso, você irá com certeza atingir o seu objetivo.

 Texto original: Espresso English, autoria Teacher Shayna Oliveira

Traduzido por: Teacher Renata Gazola

2