Lembram deste artigo da Folha no qual discutimos a importância da iniciativa de aprender inglês? Semana passada, encontrei uma matéria do Jornal O Povo de Fortaleza sobre o mesmo assunto: como a falta de domínio da língua inglesa pode atrapalhar o seu exercício profissional.

Para ler a matéria completa, clique na imagem acima.

Nessa matéria, um reporter disfarçado faz todos os caminhos que um turista comum faz todos os dias quando chega em Fortaleza (um dos principais destinos turísticos do nosso país) e que vários turistas farão daqui a dois anos, na copa de 2014 que usará um dos estádios da cidade.

Sem entrar no mérito da escolha do Brasil como sede da copa e sem discutir politíca pois não é o propósito deste site, volto a chamar a atenção para a receita infalível para o aprendizado de qualquer idioma:

1.Decisão – Se quer aprender, coloque a mão na massa, contrate um professor ou matricule-se numa escola, não apenas pense, faça!

2.Bom senso e objetividade – se você trabalha com turismo e precisa de inglês para turismo procure um curso que vise esta finalidade e o resultado será mais rápido. Em geral, professores particulares oferecem cursos especificos.

3.Prioridade – se realmente quer/precisa aprender inglês mesmo que não goste, terá que priorizar tempo e recursos para investir nesta meta, quando queremos, tudo é possível.

4.Planejamento – escolha um horário possível para chegar as aulas e separe um horário para estudo fora dos horários das aulas, planeje todos os seus outros compromissos de forma a não perder aulas.

5.Execução – não falte aulas, não se atrase, planeje o tempo no trânsito, tenha seu material sempre em mãos pois isso ajuda a melhor organizar o que você está aprendendo e a manter a motivação.

6.Curiosidade – pergunte sempre, seja curioso, pesquise, faça analogias, observe!

7.Recicle-se! – de nada adianta os passos anteriores se após 2 meses de aula você já estiver indo as aulas “no piloto automático”, renove sua motivação lembrando-se sempre de porque você decidiu aprender inglês e quais os efeitos práticos que isso terá na sua vida profissional.

Enfim, não adianta esperar por iniciativas do governo ou da sua empresa, no fim das contas é você que tem que interagir com o cliente, então antes que 2014 esteja aí, que tal colocar a mão na massa desde já?